domingo, 1 de março de 2015

Vivendo perigosamente

DSC_7147

Eu tenho um colega de trabalho que contato esporadicamente e que adorava contar suas aventuras voando de asa-delta. Quando eu estava com ele não tinha erro, era só puxar o assunto que lá vinha história.

Um dia ele me disse que havia sido transferido para outro estado. Minha primeira pergunta foi se ele já havia pesquisado lugares para voar por lá. Dito e feito, sacou mapas da gaveta mostrando os melhores locais, correntes de vento e por aí foi.

Com a transferência dele ficamos um tempão sem nos falar, até que um dia ele me ligou para pedir uma informação de trabalho. Antes de tratar do assunto em si, trocamos algumas amenidades e, claro, perguntei-lhe se estava voando muito. A resposta foi totalmente inesperada:

- Encontrei Jesus!

Fiquei meio desconcertado, sem saber se ele estava brincando ou não. Ficou aquele vácuo de silêncio no telefone, até que ele completou a informação:

- Aprendi que a vida é um dom muito precioso para a colocarmos em risco!

E passou a descorrer sobre sua nova religião e coisa e tal, até que consegui retornar ao tema do trabalho.

Não tenho dúvidas de que Jesus deu a ele um bom e sábio conselho mas, se ele houvesse escutado a sua mãe, ou mesmo a minha, ele não precisaria ter voado tão alto para obtê-lo.

3 comentários:

Emmanuella Conte disse...

Tô é pensando no tamanho do susto que ele deve ter levado no último salto pra encontrar Jesus e desistir de voar, hahahahaha.

E, sim, agora sou do time Kindle! Estava vendo sobre o Kindle Unlimited, mas acho que ainda não compensa, pra mim, enquanto tiver tantos livros físicos para ler. Quem sabe, mais pra frente. Mas tô gostando muito da experiência, é realmente confortável de ler e muito prático!

A respeito de Doctor Who, fico contente com a sua curiosidade! Espero que você venha para o lado whovian da força! :D
Como a série é muito antiga, talvez começar do começo não seja um bom negócio. A maioria dos espectadores recentes começa a assistir a série clássica depois. A ordem não tem muita importância, já que, normalmente, um episódio não puxa o outro, então você tem liberdade de começar por onde quiser. Como o ator que faz o Doutor muda de tempos em tempos (e, assim, é como se começasse "do zero"), algumas pessoas escolhem um com quem simpatizam mais e começam por ele. Entretanto, eu começaria pela retomada da série, em 2005, com o 9º Doutor. Se você tem acesso à Netflix, é de onde começa por lá. Como é considerada a nova "primeira temporada", o personagem e o importante são apresentados novamente, então não corre o risco de você pegar um episódio aleatório e correr o risco de não entender (porque pode ser bem confuso, haha). Essa primeira temporada é meio tosca, porque a BBC não tinha um orçamento muito bom na época, mas de lá pra cá ela tá com produção cinematográfica. Acho que você vai gostar!

Beijos!

Edison Junior disse...

Valeu pela dica, Manu!
Quanto ao Kindle Unlimited, acho que ainda não é vantagem, pois o acervo ainda não é dos maiores. Veja mais comentários no link abaixo:

http://www.vidasempapel.com.br/kindle-unlimited-amazon/

Emmanuella Conte disse...

Os livros vieram depois da série, são geralmente roteiros que não foram filmados, ou historinhas paralelas escritas por diversão. Servem mais como complemento à série, mesmo, mas acho que até dá pra ler sem assistir - apesar de que pode ser um pouco confuso (ou não tão divertido) se não se conhecer os personagens. A maioria dos livros são compilações de contos ou histórias curtas soltas. Fica a seu critério, mas acho mais divertido começar pela série!

Related Posts with Thumbnails