quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Como se gravava um disco

 

Edison - 0010 Tiozinho

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Pensamentos desconexos, contraditórios e levemente confusos XIII

Edison - 0527 - Pensamentos 13

Ou, que me importa que a mula manque, o que eu quero é rosetá-la.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

domingo, 26 de outubro de 2014

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

terça-feira, 21 de outubro de 2014

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Complexidade 2: os xampus

Uma vez descrevi a minha dificuldade na hora de comprar absorventes devido a enorme complexidade de opções existentes (clique aqui para ler). Claro, existem inúmeros outros produtos que oferecem uma gama enorme de opções, como carros, computadores, etc., mas o que me chamou a atenção no caso dos absorventes é que essas opções se originam de parâmetros relativamente simples, muitos dos quais totalmente inúteis. Puro marketing.

Recentemente percebi que essa mesma complexidade atinge também os xampus. O xampu que eu usava há diversos anos – por preguiça de experimentar, sou fiel às marcas que uso – sumiu das prateleiras, não o acho mais em lugar nenhum, daí que tive que procurar um substituto. Tarefa simples, é só escolher entre xampus para cabelos secos, oleosos e normais e pegar esse último que não tem erro.

O leitor vai pensar que eu sou meio rústico, talvez seja um pouco mesmo, mas se não sou exatamente um metrossexual, também não chego ao ponto de lavar a cabeça com sabão de coco. Mas voltemos à prateleira do mercado.

Depois de percorrê-las com os olhos uma, duas, três vezes, e não achar nenhum do jeito que eu queria, pensei “não é possível que não haja um xampu para cabelos normais!”. Resolvi então aplicar um método mais científico e anotar todos os tipos disponíveis. Vejamos, achei xampus para as seguintes necessidades, pela ordem em que anotei:

- Muito cacheados a crespos
- Fragilizados
- Antiqueda
- Danificados
- Lisos com escova
- Liso perfeito e sedoso
- Cachos comportados e definidos
- S.O.S. crescimento
- Fortificado
- Liso absoluto
- Blindagem contra danos
- Cacheado
- Cor duradoura
- Crespos, relaxados ou alisados
- Liso extremo total

Alguém pode me explicar como se faz para saber se o cabelo é só cacheado, cacheado comportado ou muito cacheado? O que é mais poderoso: o xampu fortificado ou o blindado? Qual o parâmetro que define se o cabelo é liso, liso perfeito ou liso absoluto? Por que não existe um xampu simplesmente para lavar cabelos? Oh, dúvidas cruéis!

O mais próximo do que eu queria foi um para “Normais a oleosos”. Não imagino que dano isso poderá causar às minhas grisalhas madeixas. Ceticamente, desconfio que não fará diferença nenhuma, mas não quero contestar toda essa gente que estuda química. E marketing.

sábado, 18 de outubro de 2014

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Segredos femininos

Edison - 0524 - Segredos femininos

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Política no Facebook

Edison - 0523 - Eleição x Ambev

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Pensamentos desconexos, contraditórios e levemente confusos VII

Edison - 0519 - Pensamentos 7

Em tempo, quem cunhou essa expressão provavelmente era um nobre que não trabalhava. A propósito, li recentemente que os grandes latifundiários nordestinos deixavam as unhas crescerem além do normal só para mostrar a todos que não precisava fazer trabalhos manuais. Se eles soubessem que a moda seria seguida pelos cobradores de ônibus e suas longas unhas nos dedos mínimos…

Finalmente, para que não me entendam mal, vejam o vídeo abaixo sobre a D. Cadú, uma senhora trabalhadora de mais de 90 anos, pra lá de nobre e digna.

Bonita história e linda lição, mas eu tenho certeza de que ela já era digna e nobre antes de começar a trabalhar. Isso é do caráter dela, não veio do trabalho propriamente dito. O trabalho foi o produto da dignidade e nobreza dela, não o contrário.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

sábado, 11 de outubro de 2014

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

MAC - Transarquiteônica

Não, isso não é o nome de um sanduíche do MacDonalds. Trata-se da obra do artista Henrique Oliveira, no MAC – Museu de arte Contemporânea da USP, no Parque do Ibirapuera, que visitei ontem por indicação da minha filha aproveitando parte das minhas férias.

2014-10-09 - MAC - Transarquitetônica 08

A Transarquitetônica é uma imensa instalação feita no anexo do MAC, que você pode entrar e atravessar por ela. Não quero estragar o efeito da obra em quem ainda vai visitar, mas recomendo entrar no prédio pelo térreo e não olhar a instalação por cima antes de a conhecer por dentro. Comece pelo lado da raíz, esse mostrado na foto acima – que deixei bem pequeninhinha de propósito.

Aqui uma foto interna, só para se ter uma ideia.

2014-10-09 - MAC - Transarquitetônica 032014-10-09 - MAC - Transarquitetônica 02

Além disso, o museu tem obras fantásticas e merece uma visita regular.

Outra coisa que por si só já valeria a pena é a vista 360° da Cidade de São Paulo que temos da cobertura do prédio, cujo arquiteto é só o Oscar Niemeyer.

2014-10-09 - MAC Cobertura 012014-10-09 - MAC Vista 102014-10-09 - MAC Vista 032014-10-09 - MAC Vista 052014-10-09 - MAC Vista 07

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

terça-feira, 7 de outubro de 2014

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

sábado, 4 de outubro de 2014

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Related Posts with Thumbnails