terça-feira, 28 de junho de 2011

Que friozinho duca!

A propósito do exagerado frio que temos vivido aqui pelas bandas de sampa, tem um coisa que sempre me deixa muito aflito. É quando estou encolhido no sofá assistindo a algum programa e de repente aparece alguma cena de praia ou piscina e os personagens em roupas de banho. Porra! Será que eles não percebem que está frio?

Edison - 0150 - Que frio

domingo, 26 de junho de 2011

Obsolescência programada

Obsolescência = estado de algo que perdeu a função ou ficou inútil
Programada = diz-se de algo que não acontece ao acaso, mas é fruto de um planejamento

O vídeo abaixo é daqueles tipo “Teoria da Conspiração” e trata do tema Obsolescência Programada. Vai da crença de cada um aceitar cada palavra ou não. Ou da sua experiência pessoal.

A narração gira em torno (girar em torno é redundância?) de um rapaz que de repente vê sua impressora travar. Nenhuma assistência técnica se propõe a resolver o problema, pelo contrário, é consenso entre elas que ele deve jogar fora a dita cuja e comprar outra, afinal não é um equipamento tão caro assim. Inconformado, ele vai em busca de uma solução e a conclusão é chocante.

Segundo o vídeo, existem basicamente duas formas de obsolescência programada: fazer produtos programados para quebrar ou apresentar falhas depois de um certo tempo, ou forçar o consumidor a querer trocar seu produto por outro mais novo ou mais bonito.

E aqui relato minha própria experiência recente sobre o assunto, não por coincidência relacionado a uma impressora. Cansado de gastar fortunas em cartuchos originais de impressão, passei a comprar genéricos que, mesmo apresentando algumas falhas, ainda eram mais baratos que os originais – o que eu gastei em cartuchos daria para comprar umas vinte impressoras novas. Ou mais. Fiz então o melhor negócio da minha vida. Instalei aqueles cartuchos externos que funcionam perfeitamente e têm um custo de reposição de tinta baixíssimo (paguei R$ 180 para instalar o kit e faz meses que não compro tinta). Ao me entregar o equipamento, o vendedor me alertou que de tempos em tempos a impressora acusaria ‘falta de tinta’, mesmo os reservatórios externos estando cheios. Nesse caso era só eu apertar um botãozinho (parte do kit) que este avisaria a impressora que o cartucho foratrocado. Isso acontece porque impressora na verdade não sabe se tem tinta ou não no cartucho, mas ela conta as folhas que a gente imprimiu para avisar que falta tinta. Absurdo? Quantos mililitros de tinta não terei jogado fora sendo que ainda havia um pouco no cartucho? Que raiva! De consolo pelo que eu gastei antes, resta o fato de eu estar enganando (gerúndio bem aplicado, pois faço isso o tempo inteiro) a obsolescência programada.

Voltando ao que diz alguém no vídeo, a grande verdade é que o crescimento ilimitado é incompatível com um planeta com recursos limitados. Todas as empresas deveriam ser responsáveis pela disposição dos produtos obsoletos fabricados por ela. Mas de verdade, pois essa determinação já existe, só que não é colocada em prática pela grande maioria dos fabricantes.

Uma vez ouvi de um palestrante a seguinte pergunta: “um planeta ‘sustentável’ é um objetivo bom?” Todos concordaram que sim, mas ele mesmo respondeu com outra pergunta a um coitado da plateia: “você está feliz com o seu casamento?”. À resposta positiva ele contrapôs: “Você diria que seu casamento é ‘bom’ ou ‘sustentável’?” Silêncio. A sustentabilidade é só o primeiro passo, e ainda estamos muito longe de dá-lo. O objetivo é mais além. E olha que estou longe de ser um catastrofista.

“O mundo é suficientemente grande para satisfazer as necessidades de todos, mas sempre será pequeno para satisfazer a ganância de outros.”
(Ghandi)

Edison - 0149 - Obsolescência programada

terça-feira, 21 de junho de 2011

Quer dançar?

Edison - 0148 - Quer dançar

domingo, 19 de junho de 2011

Pios e piadas

Li na Revista Piaui deste mês uma pequena reportagem a respeito de um workshop sobre ornitologia que ocorreu em São Paulo recentemente.

Aliás, ‘workshop’ é uma palavra melhor que ‘simpósio’, reconheço eu que não sou afeito a anglicismos desnecessários.

Mas voltando à reportagem, uma das grandes atrações era o ornitólogo holandês Bob Planqué, que é matemático por formação e mantém um site com mais de 74 mil gravações de cantos de pássaros, chamado xeno-canto (clique aqui para conhecer se você é chegado em piada de passarinho). Ele, mais os entusiasmados participantes do simpósio, digo, workshop,  passaram boa parte de uma manhã no Parque Vila Lobos, porém não conseguiram gravar nada, somente sons de aviões e helicópteros.

Ele deve saber disso melhor do que eu, mas tem uns dias - não sei porquê, talvez ele saiba – em que os pássaros simplesmente se recusam a cantar.

Digo-o por experiência própria. Moro em uma cidade muito arborizada, que é São Bernardo do Campo – SP. Todo dia, no caminho entre a minha casa e o ponto onde pego o ônibus para ir ao trabalho, passo por lugares cheios de árvores, incluindo uma praça. O silêncio matinal de alguns dias é quebrado por insistentes cantos de passarinhos os mais diversos ao longo de todo o caminho. Até desligo a música e tiro os fones de ouvido. Adoro a gritaria. Noutros dias, sem quê nem porquê, prevalecem os ruídos ao longe dos automóveis, ainda poucos às 6:30 da manhã. É assim, simplesmente, sem explicação.

E por falar em piadas, me lembrei de uma que um amigo sempre conta, sempre com muita graça.

TucanoConsta que um ornitólogo alemão – ou seria holandês? – veio ao Brasil para fotografar um tucano. Aparentemente ele era fascinado pelo tamanho do bico da ave. Munido de câmeras fotográficas sofisticadas e um livro de bolso com frases e palavras em deutch e português, embrenhou-se pelo interior em busca de um exemplar. Depois de muito procurar sem sucesso, parou um caipira que ia passando e com o auxílio do livro pediu:

- Bom tchia! Porr faforr, eu querrer… tirrar fotografia de um… (pausa, desespero, não havia a palavra ‘tucano’ no dicionário de bolso!)… animal… com o pica grande!

JegueO caipira pediu uns minutos e voltou com um jumento no cabresto. O alemão olhou o rocinante, consultou o dicionário e reclamou:

- Mas non serr esse!… esse non terr… pena!

O capiau sorriu marotamente e respondeu:

- Ah, esse aí não tem pena nem da mãe dele!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Do jeitinho que você gosta!

Edison - 0147 - A canja

Piadinha em família…

quarta-feira, 15 de junho de 2011

No RH

Edison - 0146 - RH 1

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Golfadas nunca mais

Das muitas coisas que me irritam na cozinha, uma delas são as embalagens de tetrapack que insistem em liberar seu conteúdo às golfadas, o que faz com que parte do conteúdo acabe fora do copo.

Se isso irrita você também, saiba que seus problemas “se acabaram-se”. O IJPAS – Instituto Júnior de Pesquisa Aplicada Sênior – desenvolveu uma técnica realmente eficaz para contornar esse inconveniente.

Primeiro um pouco de teoria. Quando você entorna a caixa sobre o copo da maneira usual, a saída do líquido cria um vácuo no interior do recipiente. A Natureza detesta o vácuo e tenta preenchê-lo com o ar externo, porém o bocal está ocupado pelo líquido e o ar não consegue entrar facilmente. A “briga” entre o líquido (suco ou leite) e o gás (ar) cria uma turbulência no bocal com as consequências que bem conhecemos.

Situação normal

Daí vem o Ovo de Colombo. Experimente entornar a embalagem com o bocal voltado para cima. O ar entra livre para o interior da embalagem preenchendo o vácuo, deixando a Natureza mais contente e sua toalha mais seca.

Situação proposta

Com licença que agora preciso buscar soluções para as demais coisas que me irritam na cozinha…

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Enzimas

Edison - 0145 - Enzimas

Piadinha enviada pelo amigo Mário Neto.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Uma eleição do peru

Com eleição de Humala para a presidência, o Peru junta-se à Venezula com um mala no poder.

Hummm… essa foi triste, melhor foi a do José Simão: com Humala eleito o Peru vai para a esquerda!

Notícias de 2030

Globo 2030 1Globo 2030 2

Nota: essas “noticias” foram recebidas por e-mail, cujo desconhecido autor inicial provavelmente surrupiou do site Kibeloco.

domingo, 5 de junho de 2011

1º de maio de 1994

Edison - 0145 - A chegada de Senna ao céu

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Morte lenta

Edison - 0144 - O fumo mata devagar

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Enlatados esdrúxulos

Recebi por e-mail essa série de enlatados que são consumidos, alguns como verdadeiras iguarias, em outros países. Com exceção da última latinha, que é uma contribuição minha, que modéstia a parte considero a mais bizarra.

Comecemos com as bocas e dentes de piranhas:

Enlatado - Boca e dentes de piranha

Cascavel – dizem que lembra a carne de peixe ou frango:

Enlatado - Cascavel

Cheeseburger! O natural já não é lá muito saudável, imagina esse que comem na Suécia!

Enlatado - Cheeseburger - Suécia

Crocodilo ao molho curry – que chique! – Tailândia:

Enlatado - Crocodilo ao molho currry - Tailândia

Escorpiões, também da Tailândia:

Enlatado - Escorpião pré-cozido (sem veneno) - Tailândia

Galinha enlatada. Inteira!

Enlatado - Galinha inteira

Gordura de pato – da França, é claro:

Enlatado - Gordura de pato - França

Grilos torrados com ovos – deve ser crocante:

Enlatado - Grilos torrados com ovos

O Haggis, da Escócia, é uma mistura de aveia, cebola e pedaços de coração, fígado, pulmão e estômago de ovelha (Hugo!):

Enlatado - Haggis - aveia, cebola, coração, fígado, pulmão e estômago de ovelha - Escócia

Língua de cordeiro:

Enlatado - Língua de cordeiro - Nova Zelândia

Essa me deu água na boca – Miolo de porco! – pena que a quantidade de colesterol seja tão alta:

Enlatado - Miolo de porco

E essa então? Pupas de bicho da seda, da Coréia:

Enlatado - Pupas de bicho-da-seda

Para beber, um suco de ninho de pássaros, da China:

Enlatado - Suco de ninho de pássaro - China

Paté de rena – com baixíssimo teor de gordura, proclama vir de uma fazendo de parentes do Rudolph, a simpática rena do Papai Noel…:

Enlatado - Rena - parente do Rudolph

Por fim, a mais bizarra de todas, a Feijoada enlatada!

Enlatado - Feijoada

Bom apetite!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

O mesmo, como em todos os anos

Todos os anos a simpática Miss Sophie convida para comemorar seu aniversário os seus amigos mais próximos: Mr. Pommeroy, o Mr. Winterbottom, Sir Toby e o almirante von Schneider. O problema é que, ao longo dos anos, seus amigos foram morrendo e sobram apenas Miss Sophie e seu mordomo, o fiel James, que serve o jantar de aniversário de 90 anos de Miss Sophie como se os amigos estivessem vivos.

Durante o jantar, com cada prato, é pronunciado um refrão que se tornou lendário na Alemanha:

James: "O mesmo procedimento do ano passado, Miss Sophie?"
Miss Sophie: "Sim, James, o mesmo, como em todos os anos."

A cada prato, James serve bebidas alcoólicas, xerez, vinho branco, champanhe e um Porto à Miss Sophie e seus amigos. Ao brindar, o mordomo faz o papel de cada um dos convidados e vai tomando os copos dos quatro. Quando vem a sobremesa, ele está completamente bêbado.


Nota: o ator é o comendiante inglês Freddie Frinton.

Related Posts with Thumbnails