quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Eleição da melhor falácia

No esforço final de convencimento dos eleitores os candidatos (todos) lançam mão de inúmeros artifícios. Dentre eles estão as chamadas falácias.

Falácia é a argumentação falsa que, embora aparentemente esteja correta, fere os princípios da lógica. Isso não quer dizer que os argumentos utilizados sejam necessariamente falsos. Nessa hora sempre me lembro daquela propaganda da Folha que fala que “é possível contar um monte de mentiras dizendo só a verdade”.

Seguem abaixo alguns tipos de falácia (na verdade, há muito mais) para ajudá-lo na interpretação das propostas de seu(sua) candidato(a).

Exemplo 1: o deputado A rouba, o deputado B rouba e o deputado C rouba, logo, todos os deputados são ladrões. Certo? Errado, embora seja cada vez mais comum pensar assim, trata-se de uma generalização apressada. Nada garante que os demais deputados sejam todos ladrões ou que não haja um sequer honesto.

Exemplo 2: nós vamos à praia, mas não vamos levar o Zé, porque sempre que ele vai chove. Por mais pé frio que o Zé seja, ele não é a causa da chuva, portanto essa argumentação é uma falácia chamada de pot hoc e não é válida do ponto de vista lógico, pois não há relação de causa e efeito.

Exemplo 3: se Alexander Fleming não houvesse saído de férias e esquecido placas com culturas de micro-organismos em seu laboratório, nós nunca saberíamos da existência da penicilina. Falso! Fleming poderia ter descoberto a penicilina em uma outra ocasião, ou mesmo outra pessoa poderia tê-la descoberto. Isso é uma hipótese contrária ao fato.

Exemplo 4: dois homens vão começar uma discussão. Um deles se levanta e diz: “meu oponente é um mentiroso, não é possível acreditar em uma só palavra que ele disser”. Ele desqualificou o oponente, envenenou o poço ao invés de argumentar, antes mesmo que o debate começasse.

FaláciasExemplo 5: um homem vai pedir emprego e o futuro patrão lhe pergunta quais suas qualificações. Ele responde que tem uma mulher e seis filhos, que a mulher é aleijada, as crianças não têm o que comer etc. Ele tentou convencer o empregador despertando sua compaixão, ad misericordiam, e não respondendo à pergunta que lhe foi feita.

Como eu disse, existem dezenas de tipos de falácias, mas você não precisa necessariamente conhecer todas elas, basta saber que elas estão por ai. Os exemplos dados acima podem ter parecido meio tolos, mesmo porque você já os leu sabendo que eram uma pegadinha. Apenas experimente ouvir a argumentação dos candidatos sabendo que também é uma pegadinha.

Um comentário:

Emmanuella disse...

Estou tão tentada a votar nulo nesse segundo turno. Pelo menos saberei que, o que quer que acabe acontecendo com a gente, não foi por culpa minha. Haha

Related Posts with Thumbnails