quarta-feira, 18 de junho de 2008

Os críticos, ora os críticos!


Antes de qualquer coisa: não tenho nada contra críticos em geral. É importante que o artista receba uma crítica ao seu trabalho, independentemente da opinião de seu público cativo.

Porém, algumas vezes dá até para perceber que o crítico não vai com a cara do autor, ou não gosta do gênero da obra, ou simplesmente não recebeu jabaculê suficiente.

Diz o Millôr, “eu teria gostado mais da peça se não tivesse lido a crítica antes”, e é uma grande verdade. Fica-se na dúvida se a obra é ruim de fato ou se o crítico implicou com ela por algum outro motivo, escuso ou não.

Só para dar um exemplo concreto, logo que começaram a ser lançados CDs no Brasil, lembro-me que havia uma revista que trazia os lançamentos da última geração de aparelhos de som e dava dicas aos leitores. Uma das seções, por acaso a que eu mais gostava e que me fez assinar a revista, comentava os lançamentos de CDs do mês.

Geralmente a crítica era muito bem escrita, só que o comentarista detestava música sertaneja e detonava todo e qualquer CD que tivesse uma dupla de goianos com violão e sanfona na capa. As observações eram até engraçadas para quem, como eu, não gosta desse tipo de música, mas tem gente que gosta, pô!

Então, como é que um camarada que não gosta de música sertaneja pode se meter a comentar o CD? Que entende ele além dos possíveis aspectos técnicos da gravação? Que parâmetro ele usa para dizer se as músicas são boas ou ruins? Não seria muito mais justo e proveitoso colocar alguém que entendesse e gostasse do gênero em questão para comentar a obra? Ou será que ele acha que o gosto dele é universal?

Pegue qualquer revista semanal. Se o crítico for metido a intelectual, vai detestar o filme do Indiana Jones (que ainda não vi) ou o da Xuxa (que não vou ver).

E o contrário também acontece. Você já viu uma crítica desfavorável quando o escritor, por exemplo, é articulista da mesma revista?

Por isso, sempre procuro seguir o conselho de mestre Millôr e só leio a crítica depois de ver o filme, ler o livro, ouvir o CD etc. Nem sempre dá certo, pois a curiosidade é maior que a prudência, mas geralmente saca-se qual é a do crítico. Mas pelo menos tento ler a crítica com olhos críticos.

E por falar neles, que tal mais uma dose de Muppets?

Toma lá: dois dos personagens mais engraçados do show, os mal-humorados críticos Statler and Waldorf!


Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails